A classificação biológica dos seres vivos

Nós temos a tendência de classificar tudo à nossa volta, é só olhar para o seu armário, onde há o compartimento das camisas, das meias, dos sapatos, e assim, se observamos a sociedade em seus diversos âmbitos, notaremos padrões de classificação. Na biologia não é diferente, existe uma área voltada ao estudo da classificação dos seres vivos, a Taxonomia e sistemática. O primeiro referencial da classificação dos seres vivos é tido desde a época Aristotélica, com a diferenciação de dois grupos: animais e plantas. Na história da classificação, encontramos dois principais sistemas, o considerado artificial, por não se basear no parentesco evolutivo dos seres vivos e os naturais, que são pautadas nas relações filogenéticas.

Um marco na classificação foi proposto pelo médico e professor Karl von Linné (1707-1778), conhecido como Lineu em português. Em seu tempo, o conceito de evolução contemporâneo ainda não havia se estabelecido. Dessa forma, esta classificação possui um caráter artificial, não relevando o grau de parentesco entre os seres vivos. Lineu, manteve a dicotomia Planta, em que seres fotossintetizantes, bactérias e fungos eram inclusos e Animal, que abrigava os organismos heterótrofos (que produzem seu próprio alimento) e que tinham a capacidade de se locomover, além disso, acrescentou um terceiro reino, o Mineral. As falhas nesse tipo de sistema logo se evidenciaram, como a euglena que faz fotossíntese e se locomove, tendo características intermediárias entre os dois reinos. Ernst Haeckel (1834-1919), propôs em 1866, um terceiro reino, o Protista, incluindo os unicelulares eucariontes, esponjas e bactérias, baseando a relação entre os seres usando a árvore da vida criada segundo a ideia darwinista de evolução.

Herbert Copeland (1902-1968), apresentou a classificação em quatro reinos, fundamentando-se na diferenciação celular entre procariontes e eucariontes e a existência ou não de tecidos. Dessa forma, tínhamos o reino Plantae, Animalia, Monera que englobava as bactérias e o reino Proctista. O principal problema dessa proposta, foi o último reino, pois não existia uma unidade óbvia de clareza, servindo dessa forma como uma dispensa para os organismos que não se adequavam aos demais reinos. Anos depois, com pretensão de melhorar essa classificação, Robert H. Whittaker (1924-1980) sugeriu uma versão mais completa e comentada dessa classificação a qual possuía cinco reinos Plantae (multicelures fotossintetizantes), Fungi (uni ou multicelulares que se alimentam por absorção), Animalia (multicelulares heterotróficos que se alimentam por ingestão), Protista (unicelulares eucariontes), Monera (procariontes). Whittaker, baseou-se então principalmente no tipo celular, na organização celular e nutrição dos seres.

Fonte: https://edisciplinas.usp.br/mod/book/view.php?id=2433966&chapterid=19849

Esse tipo de classificação, possui diversas limitações, inclusive reconhecidas pelo autor da proposta, dessa forma, demais cientistas propuseram outros tipos de classificações, até chegar no modelo mais aceito atualmente, apresentado em 1977 pela microbiologista Carl R. Woese (1928-2012). Woese analisou filogeneticamente o RNA ribossômico, baseando sua classificação em um conjunto de características moleculares dando origem a três domínios diferentes: Archaea, Bactéria e Eucarya. Segundo sua categorização, os procariontes diferem muito entre si, de forma que as arqueas sejam mais semelhantes, do ponto de vista molecular, aos eucariontes do que as bactérias, por sua vez, os eucariontes são muito semelhantes, formando um único domínio.

Fonte: https://edisciplinas.usp.br/mod/book/view.php?id=2433966&chapterid=19849

Questão- Enem 2017

A classificação biológica proposta por Whittaker permite distinguir cinco grandes linhas evolutivas utilizando, como critérios de classificação, a organização celular e o modo de nutrição. Woese e seus colaboradores, com base na comparação das sequências que codificam o RNA ribossômico dos seres vivos, estabeleceram relações de ancestralidade entre os grupos e concluíram que os procariontes do reino Monera não eram um grupo coeso do ponto de vista evolutivo.

A diferença básica nas classificações citadas é que a mais recente se baseia fundamentalmente em

a) Tipos de células.

b) Aspectos ecológicos.

c) Relações filogenéticas.

d) Propriedades fisiológicas.

e) Características morfológicas.

Resposta correta: C

Acesse o portal InfoEnem e tenha acesso aos melhores conteúdos e informações sobre o Enem 2020!

Por quê, Porquê, Porque e Por que: aprenda a diferença entre cada um para não errar no Enem!

A língua portuguesa é de fato muito rica e por isso traz um grande número de possibilidades para algumas palavras e isso, às vezes, pode causar dúvidas aos falantes de seu idioma. Uma dessas dúvidas mais comuns está ligada ao uso dos “porquês”. Na fala não há motivo nenhum para preocupação, mas na hora da escrita em norma padrão quase sempre é feita uma consulta para saber a diferença entre um e outro e não fazer feio no texto.
https://infoenem.com.br/por-que-porque-porque-e-por-que-aprenda-a-diferenca-entre-cada-um-para-nao-errar-no-enem/

O que é SiSU?

É o sistema informatizado do MEC por meio do qual instituições públicas de ensino superior (federais e estaduais) oferecem vagas a candidatos participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).
https://infoenem.com.br/como-funciona-o-sisu/

Manual do SISU e PROUNI

Manual do SISU e PROUNI

Receba gratuitamente

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

InfoEnem
InfoEnem

Portal InfoEnem - O portal mais completo do Enem.