A história de Maria da Penha

Você com certeza já ouviu falar na famosa “Lei Maria da Penha” – sancionada em 7 de agosto de 2006, a lei cria mecanismos para prevenir e coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. O quão estranho é pensar que, há poucos anos atrás, nossas mães e avos não tinham acesso a esse mecanismo? Quais foram os fatores que motivaram o Estado brasileiro a criar tal dispositivo – visto que o Brasil, bem como muitos outros países, é um país de histórico patriarcal, onde o machismo foi construído e fortificado historicamente? O nome da lei já nos indica o que levou o Brasil a adotar tal legislação – o caso da cearense Maria da Penha e o verdadeiro barulho que a mesma causou em tribunais internacionais. Vamos conhecer mais sobre essa história?

Nascida 1 de fevereiro de 1945, Maria da Penha Maia Fernandes graduou-se na Faculdade de Farmácia e Bioquímica da Universidade Federal do Ceará em 1966. Enquanto cursava seu mestrado na USP, em 1974, Maria conheceu o colombiano Marco Antonio Heredia Viveros, que estudava na mesma instituição. Os dois se casaram dois anos depois, e após o nascimento da primeira filha, mudaram-se para o Ceará. Assim que Marco conseguiu consolidar a cidadania brasileira e ganhou estabilidade econômica, seu comportamento mudou e ele se tornou agressivo com Maria. Apesar na violência constante, Marco sempre se desculpava com a esposa e garantia que iria mudar seu comportamento – tal postura é muito comum dentro do ciclo da violência doméstica, e a vítima, por vezes tem um fim fatal ao perdoar o agressor e tentar manter a relação. Se hoje o perdão já é comum e mata muitas mulheres, naquele tempo era mais ainda!

Nessa situação, tiveram sua terceira filha. Em 1983, Maria foi vitima de dupla tentativa de feminicídio – crime de ódio baseado no gênero – por seu companheiro. Ele deu um tiro em suas costas enquanto ela dormia – e como resultado dessa primeira agressão, Maria ficou paraplégica. Após quatro meses, depois de passar por diversos procedimentos cirúrgicos e tratamentos, Maria voltou para sua casa e Marco manteve-a em cárcere privado por 15 dias, e tentou eletrocuta-la durante o banho. Após toda a tormenta, Maria contou com o apoio de familiares e amigos para fugir de casa – mas sem que tal ato se configurasse como abandono do lar, para que ela pudesse ter a guarda das filhas.

O julgamento de Marco ocorreu oito anos após o crime, e ele acabou saindo do fórum em liberdade. Mesmo abandonada pela justiça brasileira, Maria continuou lutando. Publicou um livro contando sua história, o “Sobrevivi… posso contar” (1994) – outro julgamento ocorreu em 1996, e em virtude de irregularidades processuais, o agressor novamente não cumpriu a sentença. Em 1998 Maria da Penha, o Centro para a Justiça e o Direito Internacional (CEJIL) e o Comitê Latino-americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher (CLADEM) denunciaram o caso para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (CIDH/OEA).

Apenas em 2001 o Estado brasileiro recebeu quatro ofícios da OEA responsabilizando-o por negligência, omissão e tolerância em relação à violência doméstica. Anos depois, em 2004, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei n. 4.559/2004, que foi aprovado pelo Senado e sancionado pelo Presidente da República dois anos depois. O Projeto instituía a “Lei Maria da Penha

Maria resistiu a violência domestica e se tornou um símbolo do combate da pratica – é importante lembrar que a violência doméstica não se resume a agressão física, visto que muitas vítimas sofrem também agressões verbais e entre outros.

QUESTÃO – ENEM 2014

Maria da Penha

Você não vai ter sossego na vida, seu moço

Se me der um tapa

Da dona “Maria da Penha”

Você não escapa

O bicho pegou, não tem mais a banca

De dar cesta básica, amor

Vacilou, tá na tranca

Respeito, afinal, é bom e eu gosto

[…]

Não vem que eu não sou

Mulher de ficar escutando esculacho

Aqui o buraco é mais embaixo

A nossa paixão já foi tarde

[…]

Se quer um conselho, não venha

Com essa arrogância ferrenha

Vai dar com a cara

Bem na mão da “Maria da Penha”

ALCIONE. De tudo o que eu gosto. Rio de Janeiro: Indie; Warner, 2007.

A letra da canção faz referência a uma iniciativa destinada a combater um tipo de desrespeito e exclusão social associado, principalmente, à(s)

a) mudanças decorrentes da entrada da mulher no mercado de trabalho.

b) formas de ameaça doméstica que se restringem à violência física.

c) relações de gênero socialmente construídas ao longo da história.

d) violência doméstica contra a mulher relacionada à pobreza.

e) ingestão excessiva de álcool pelos homens.

ALTERNATIVA CORRETA – C

Acesse o portal InfoEnem e tenha acesso aos melhores conteúdos e informações sobre o Enem 2020!

Por quê, Porquê, Porque e Por que: aprenda a diferença entre cada um para não errar no Enem!

A língua portuguesa é de fato muito rica e por isso traz um grande número de possibilidades para algumas palavras e isso, às vezes, pode causar dúvidas aos falantes de seu idioma. Uma dessas dúvidas mais comuns está ligada ao uso dos “porquês”. Na fala não há motivo nenhum para preocupação, mas na hora da escrita em norma padrão quase sempre é feita uma consulta para saber a diferença entre um e outro e não fazer feio no texto.
https://infoenem.com.br/por-que-porque-porque-e-por-que-aprenda-a-diferenca-entre-cada-um-para-nao-errar-no-enem/

O que é SiSU?

É o sistema informatizado do MEC por meio do qual instituições públicas de ensino superior (federais e estaduais) oferecem vagas a candidatos participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).
https://infoenem.com.br/como-funciona-o-sisu/

Manual do SISU e PROUNI

Manual do SISU e PROUNI

Receba gratuitamente

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

Raphaele Godinho
Raphaele Godinho

Raphaele Godinho: Estudante de Relações Internacionais, coordenação do movimento Resgatando e Valorizando a Mulher, Three Dot Dash Global Teen Leader 2020 by We Are a Family Foundation.