Conteúdo Enem: Reprodução assexuada

Nos artigos anteriores, vimos que alguns seres vivos se reproduzem assexuadamente, ou seja, não ocorre troca de gametas, e outros sexuadamente, quando dois gametas se unem para formar um novo organismo (clique aqui para acessar). Agora vamos entender como ocorre a reprodução assexuada e suas principais características.

Seres como fungos, bactérias, algas, protozoários, algumas plantas e alguns animais não necessitam de um outro ser para se reproduzirem. Por meio de um processo simples e rápido, o ser da origem a um outro com uma mesma sequência de DNA e, consequentemente, idêntico a ele. Embora o processo seja simples, pode ocorrer de várias maneiras: bipartição, fragmentação, esporulação, brotamento e partenogênese.

A bipartição, muito comum para as bactérias, ocorre quando uma célula divide-se e divide seu núcleo em dois. Deste modo, cada parte fica com um núcleo e formam-se dois seres.

A fragmentação ocorre quando alguns fragmentos se soltam de um organismo e dão origem a novos seres, idênticos ao primeiro, como ocorre por exemplo com as planárias.

Já a esporulação, comum em algumas plantas e fungos, ocorre quando o organismo libera esporos que dão origem a novos seres quando se encontram em condições favoráveis.

O brotamento, como o nome sugere, caracteriza-se pelo crescimento de brotos em um indivíduo que em um determinado momento se soltam e dão origem a novos seres, como ocorre com algumas plantas, fungos e animais, como as esponjas.

As abelhas representam um exemplo clássico da partenogênese, processo que ocorre quando há gametas feminino e masculino, porém um deles pode se desenvolver sem fecundação. No caso das abelhas, o gameta feminino se desenvolve e dá origem a um organismo do gênero masculino, o zangão. No caso da reprodução sexuada, quando há fecundação, são geradas abelhas fêmeas. Além destes animais, a partenogênese ocorre também em vermes, insetos e outros animais, como alguns peixes, anfíbios e répteis.

Podemos observar que quando ocorre reprodução assexuada, as células geradas são idênticas às células-mãe, o que pode ser um problema para uma população. Se uma alteração ambiental for nociva para um ser, todos da população serão afetados, pois são iguais. Já no caso da reprodução sexuada, embora parecidas, as células filhas nunca são idênticas aos pais, o que leva a diferenciações, de modo que com alguma alteração ambiental, alguns podem ser acometidos e outros não. Mas esse tipo de reprodução já é assunto para um próximo artigo.

Até lá!!

Manual do SISU e PROUNI

Manual do SISU e PROUNI

Receba gratuitamente

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

Fernando Buglia
Fernando Buglia

Físico formado pela Unicamp, professor de cursinho pré-vestibular e um dos proprietários do portal infoEnem.