Escola de Frankfurt e a Indústria Cultural

Ao longo da história, a humanidade desenvolveu diferentes maneiras de se viver de acordo com a tecnologia, os saberes e os costumes presentes em cada época e local. Conforme o desenvolvimento de novos instrumentos e modos de dominar a natureza, fazer comércio, se organizar politicamente e da alteração de outros aspectos estruturantes da sociedade, novos modos de vida surgiram.

 Inúmeras transformações ocorreram para que a experiência de vida de hoje fosse como é, expressivamente diversa daquela de trezentos anos atrás. Essa experiência vigente é chamada de modernidade e possui suas origens no conjunto de mudanças econômicas e sociais que se espalharam pelo mundo, principalmente, a partir da Revolução Francesa (1789) – responsável pela universalização do princípio de igualdade perante a lei – e da disseminação da Revolução Industrial no século XIX – a qual internacionalizou uma economia de mercado, marcada pelos imperativos de venda de mercadorias e acumulação de capital para os proprietários e de venda da força de trabalho e consumo para os não proprietários.

Fonte: https://www.fnucut.org.br/eletrobras-pronta-para-atacar-direitos/1-charge-trabalhista/

Crítica à modernidade

Apesar da existência de teóricos que enaltecem a modernidade e exaltam todo progresso tecnológico, científico e social proporcionado por ela, há diversos outros que apontam as contradições do processo, o qual, ao mesmo tempo que possibilitou novas condições de vida e trouxe evoluções científicas, disseminou a miséria, a devastação da natureza e a poluição do planeta. Essas e diversas outras contradições suscitaram uma nova tradição de crítica à modernidade, que teve como um de seus principais expoentes Max Weber (1864–1920).

As reflexões do pensador alemão partiam do seguinte princípio: viver na modernidade também significa conviver com um enorme conjunto de instituições burocratizadas (desde as empresas até as instituições privadas e estatais), baseadas na racionalidade. A crescente racionalidade, como parte constituinte da experiência da modernidade, está se apresentando como uma nova forma de exploração, ao invés de contribuir para a emancipação dos indivíduos. Essa ideia foi amplamente discutida pelos pensadores da Escola de Frankfurt, como Theodor Adorno (1903-1969) e Max Horkheimer (1895-1973).

A Escola de Frankfurt

Possui suas origens na fundação do Instituto para Pesquisa Social na Alemanha, em 1923. Os trabalhos do Instituto almejavam a elaboração de uma teoria crítica da sociedade, para isso articulavam diferentes áreas de conhecimento, tais como a sociologia, economia, psicanálise e filosofia. Visando a compreensão de temas como o surgimento do capitalismo e as transformações sociais, políticas e econômicas que o sucederam, a escola se baseava tanto no materialismo marxista quanto na psicanálise freudiana e em filósofos representantes da escola alemã, como Nietzsche, Schopenhauer, Kant e Hegel.

A escola foi fundada pelos pensadores Max HorkheimerTheodor Adorno e Friederich Pollock e possuiu como integrantes Herbert Marcuse, Jurgen Habermas e Ernst Bloch.

Adorno: a crítica à modernidade e a indústria cultural

Uma das principais obras de Theodor Adorno, escrita com Max Horkheimer, foi a Dialética do Esclarecimento (1947). Nesse livro, os autores observam a vitória do racionalismo a partir do Iluminismo no século XVIII, o qual, ao mesmo tempo que livrou o mundo da superstição e do dogmatismo religioso, criou um novo tipo de dominação: primeiramente sobre a natureza, como se ela estivesse à disposição para ser explorada pela sede insaciável da indústria; e depois sobre o próprio homem, através da criação de uma sociedade administrada, que subordinou os indivíduos às necessidades técnicas. Neste contexto, a ciência, a serviço das demandas práticas e técnicas, deixou de ser um instrumento de emancipação, tornando um meio de dominação.

Em decorrência da destruição das normas pela ciência, a ética declinou e a vida em sociedade se transformou em uma espécie de competição sem regras, que está atrelada ao consumo de mercadorias que proporcionam o “bem-estar”.

Fonte: https://www.jolrn.com.br/2019/01/24/seculo21-era-mediocridade-cultural/

Além disso, Adorno aponta que os aspectos da cultura e a arte passaram a ser dominados por uma indústria cultural, isto é, uma forma de controle das consciências pelo emprego de meios como o rádio, a imprensa, o cinema e a mídia. Assim, ao invés de servir à emancipação, a arte passa a reforçar o domínio econômico e a sujeição das consciências. Desta forma, nem a arte possui autonomia e nem os indivíduos possuem liberdade de escolha, visto que são induzidos a gostar dos mesmos elementos (cultura de massa), acreditar em determinadas informações e agir de uma forma específica.

Questão – Enem 2016

Hoje, a indústria cultural assumiu a herança civilizatória da democracia de pioneiros e empresários, que tampouco desenvolvera uma fineza de sentido para os desvios espirituais. Todos são livres para dançar e para se divertir, do mesmo modo que, desde a neutralização histórica da religião, são livres para entrar em qualquer uma das inúmeras seitas. Mas a liberdade de escolha da ideologia, que reflete sempre a coerção econômica, revela-se em todos os setores como a liberdade de escolher o que é sempre a mesma coisa.

ADORNO, T HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

A liberdade de escolha na civilização ocidental, de acordo com a análise do texto, é um(a)

A) legado social.

 B) patrimônio político.

C) produto da moralidade.

D) conquista da humanidade.

E) ilusão da contemporaneidade.

A alternativa correta é a letra E.

Acesse o portal InfoEnem e tenha acesso aos melhores conteúdos e informações sobre o Enem 2020!

Por quê, Porquê, Porque e Por que: aprenda a diferença entre cada um para não errar no Enem!

A língua portuguesa é de fato muito rica e por isso traz um grande número de possibilidades para algumas palavras e isso, às vezes, pode causar dúvidas aos falantes de seu idioma. Uma dessas dúvidas mais comuns está ligada ao uso dos “porquês”. Na fala não há motivo nenhum para preocupação, mas na hora da escrita em norma padrão quase sempre é feita uma consulta para saber a diferença entre um e outro e não fazer feio no texto.
https://infoenem.com.br/por-que-porque-porque-e-por-que-aprenda-a-diferenca-entre-cada-um-para-nao-errar-no-enem/

O que é SiSU?

É o sistema informatizado do MEC por meio do qual instituições públicas de ensino superior (federais e estaduais) oferecem vagas a candidatos participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).
https://infoenem.com.br/como-funciona-o-sisu/

Sobre o Autor

InfoEnem
InfoEnem

Portal InfoEnem - O portal mais completo do Enem. 10 anos abordando os principais assuntos do maior vestibular do país. - Artigos; - Notícias; - Apostilas; - Cursos On-line.