O novo filme da Marvel e a Guerra Fria

Muitos filmes esperados pelo público tiveram seus lançamentos adiados em virtude da pandemia da COVID-19, e um deles foi o “Viúva Negra”, da Marvel, que agora será lançado apenas em outubro de 2020. Muitas pessoas conhecem a personagem em virtude da franquia de Vingadores, durante muito tempo ela foi a única representação feminina do grupo; mas a Viúva Negra, ou simplesmente Natasha Romanoff, tem uma história muito interessante que se entrelaça com o período da Guerra Fria. Vamos ver mais sobre isso?

Quem é a Viúva Negra?

Natasha nasceu em 1928, em Stalingrado na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). A cidade foi invadida pelos nazistas, e um grande massacre ocorreu, matando a família de Natasha; ela foi resgatada e enviada para um centro de treinamentos para espiões. Depois de algum tempo, a super heroína entrou pra KGB (Comitê de Segurança Nacional russo) e nesse período passou por diversos experimentos científicos que, dentre outras coisas, lhe deram a habilidade de não envelhecer. Ela entrou em confronto com diversos personagens norte-americanos do universo Marvel durante sua trajetória, dentre eles o Tony Stark (Homem de Ferro). Apesar disso tudo, Natasha logo migrou para os Estados Unidos e solicitou asilo político para o governo do país, entrando mais tarde para a equipe da S.H.I.E.L.D (super organização de segurança criada pelo universo Marvel). O filme que será lançado em breve irá abordar pontos da história de vida de Natasha, como seu passado na URSS e afins, ao mesmo que tempo em que a mesma já está envolvida diretamente com companheiros do grupo “Vingadores”. Mas quais são as ligações dessa personagem com a Guerra Fria?

A Guerra Fria

A Guerra Fria foi um conflito indireto ocorrido entre 1947 e 1989 de acordo com algumas fontes. Após o final da Segunda Guerra Mundial, EUA e URSS (bem como os demais aliados) saem vitoriosos, mas esses dois países específicos com condições muito significativas em seus cenários domésticos, a ponto de ambos se tornarem potências no cenário internacional ou seja, países muito poderosos. O mundo se tornou o que chamamos de “bipolar”, com dois pólos de poder emanando suas influências para outros países menores – geralmente, esses Estados escolhiam um lado para se aliar, o bloco soviético da URSS ou o bloco dos EUA. Mas por qual motivo duas nações recém saídas de um contexto de guerra provocaram um conflito indireto? Justamente em virtude de ambas as potenciais terem posse de muitos armamentos militares e nucleares, o receio de um conflito que iria acabar com o planeta faz com que a guerra fosse marcada pelas chamadas proxy wars (guerras por procuração, onde os combatentes têm vinculações externas, um exemplo é a proxy war do Vietnã, onde o Vietnã do norte era aliado da URSS e a do sul dos EUA – exemplificando muito cruamente, como se fossem “fantoches” das potências, apesar de terem seus próprios interesses domésticos). O alto desenvolvimento tecnológico fez também com que uma corrida espacial e armamentista acontecesse, motivando ambos os países que tentarem alcançar o domínio espacial – foram esses esforços que fizeram com que o ser humano chegasse ao espaço e a Lua, e que o mundo todo desenvolve tecnologias de ponta para a concretização desse objetivo. Você pode ler mais sobre a Guerra Fria aqui.

Marvel x Guerra Fria

Nesse meio tempo, muitas teorias da conspiração surgiram. Até que ponto esses países chegariam para alcançar o primeiro lugar? Essa é uma pauta também abordada na série Stranger Things, e a Viúva Negra não foge da regra. Ela funcionou como uma representação dos conflitos entre URSS e EUA na visão norte-americana dos desenhistas e escritores do Universo Marvel; tida inicialmente como uma vilã ligada a instituições reais soviéticas lutando contra os “mocinhos” estadunidenses. O fato dela ter habilidades oriundas de experiências científicas ilustra os resultados da corrida de desenvolvimento científico (bélico e espacial) e toda a gama de teorias da conspiração criadas e disseminadas em virtude do conflito. Agora que você já entendeu mais sobre a briga entre EUA e URSS, e a relação da Marvel com isso tudo, vamos resolver uma questão!

Os 45 anos que vão do lançamento das bombas atômicas até o fim da União Soviética, não foram um período homogêneo único na história do mundo. (…) dividem-se em duas metades, tendo como divisor de águas o início da década de 70. Apesar disso, a história deste período foi reunida sob um padrão único pela situação internacional peculiar que o dominou até a queda da URSS.

(HOBSBAWM, Eric J. Era dos Extremos. São Paulo: Cia das Letras,1996)

O período citado no texto e conhecido por “Guerra Fria” pode ser definido como aquele momento histórico em que houve:

a) corrida armamentista entre as potências imperialistas europeias ocasionando a Primeira Guerra Mundial.

b) domínio dos países socialistas do Sul do globo pelos países capitalistas do Norte.

c) choque ideológico entre a Alemanha Nazista / União Soviética Stalinista, durante os anos 30.

d) disputa pela supremacia da economia mundial entre o Ocidente e as potências orientais, como a China e o Japão.

e) constante confronto das duas superpotências que emergiram da Segunda Guerra Mundial.

Alternativa correta: E

Acesse o portal InfoEnem e tenha acesso aos melhores conteúdos e informações sobre o Enem 2020!

Manual do SISU e PROUNI

Manual do SISU e PROUNI

Receba gratuitamente

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

Raphaele Godinho
Raphaele Godinho

Raphaele Godinho: Estudante de Relações Internacionais, coordenação do movimento Resgatando e Valorizando a Mulher, Three Dot Dash Global Teen Leader 2020 by We Are a Family Foundation.