Essencialmente, Direito é a ciência que estuda a aplicação das normas jurídicas vigentes em um país. Dessa forma, seus bacharéis organizam as relações entre indivíduos e grupos sociais, zelando pela harmonia e pela correção das relações entre cidadãos, empresas e poder público.

Existem duas carreiras distintas para aqueles e se formam em Direito: Seguir a carreira jurídica ou atuar como advogado.

A origem do termo advogado é do latim “ad vocatus”, que significa “o que vem para defender”, ou, simplesmente, intercessor. Isso talvez consiga resumir, de uma maneira muito simplista, a profissão do advogado. Entretanto, contraditoriamente à simplicidade da origem do termo, a atuação desse profissional é extremamente ampla, pois as possíveis áreas que um advogado pode escolher trabalhar são bastante variadas. Direito trabalhista, direito administrativo, arbitragem internacional, direito civil, direito penal ou criminal e direito comercial são apenas alguns exemplos.

Já a carreira jurídica, o bacharel atuará em órgãos públicos de um município, de um estado ou da União, conduzindo e/ou acompanhando investigações, podendo trabalhar como advogado público, juiz, promotor de Justiça ou delegado de polícia.

Tamanha importância e abrangência têm, claro, seu contrapeso: os cursos de Direito sempre figuram como um dos mais concorridos nas grandes universidades brasileiras, oferecendo, já na hora do vestibular, um grande desafio para aqueles que o escolheram.

Salário inicial
Segundo Sindicato das Sociedades de Advogados dos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, o salário médio inicial é de R$ 2.002,99 (até um ano de inscrição na OAB).

Onde estão os melhores cursos?
Segundo o Guia dos Estudantes 2013, estes são os melhores cursos de direito do país.


*Os dados estão organizados por estado e ordem alfabética.

Entrevista
Com a gama de possibilidades que o curso proporciona, fica difícil imaginar como é o dia a dia desses profissionais. Para ajuda-lo a decidir melhor a sua escolha (ou não) em cursar Direito , convidamos para uma entrevista sobre o cotidiano e os desafios dessa cobiçada carreira o advogado Júlio Fabbri Dotta, formado pela UEL (Universidade Estadual de Londrina) em 2008, atuante na área de Direito Civil com ênfase em Direito Empresarial. Veja a entrevista (na íntegra) abaixo.

1- Porque escolheu o curso de direito?
R: Sempre tive aptidão para as matérias relacionadas às ciências humanas. Além disso, meu Avô e meu Pai, meus exemplos de homem, também são advogados. Como somos obrigados a decidir qual será a nossa profissão com apenas 18 anos de idade, decidi por seguir a tradição da família e, felizmente, acertei na escolha. Hoje não me imagino atuando em outra área.

2 – O que achou do curso? Cite as principais dificuldades encontradas ao longo do mesmo.
R: Acredito que Direito deveria ser matéria de ensino médio, evidentemente, não no aspecto técnico, mas filosófico. Se todos os cidadãos tivessem contato com a criação do Estado Democrático de Direito e sua evolução na história da humanidade seria mais fácil entender o porquê a sociedade brasileira é estruturada desta forma, e até mesmo compreender os motivos pelos quais diferentes sociedades possuem ordenamentos jurídicos distintos. Acredito que assim as pessoas poderiam exercer a sua cidadania com maior plenitude. Não existem grandes dificuldades para se formar no curso de Direito, não existem cálculos precisos com respostas únicas, como nas ciências exatas. Por outro lado, por mais que pareça clichê, a aptidão por leitura é condição básica para concluir o curso. Para ter o seu posicionamento definido sobre um tema é imperativo ter vasto conhecimento sobre a opinião adversa.

3- Em geral, as pessoas associam o curso de direito apenas a advocacia. Entretanto, como sabemos, existem inúmeras outras opções para aqueles que se formaram em direito. Na sua opinião, quais são as principais oportunidades para os recém-formados?
R: O curso de Direito oferece uma gama enorme de possibilidade além da advocacia. Podemos citar as mais conhecidas, como carreiras de Magistratura e Ministério Público, tanto em nível Federal quanto Estadual. Mas também existem carreiras como de Delegados de Polícia, técnicos judiciários e outros diversos concursos possuem como condição básica a formação no curso de Direito.

4 – Como é exercer a profissão de advogado? Conte-nos um pouco sobre sua rotina.
R: A advocacia é muito abrangente. O cotidiano do advogado varia muito de acordo com o ramo escolhido. No meu caso, participo muito de reuniões entre os meus clientes e seus parceiros comercias, fornecedores e clientes. Também existe a parte chamada de contencioso, que são os processos propriamente ditos, ou seja, quando as partes não conseguiram solucionar uma questão de forma amigável e foram obrigadas a recorrer ao Judiciário. O Fórum também é local presente no cotidiano do advogado, tanto para audiências como para acompanhamento dos processos.

5- Neste momento econômico, qual a sua opinião em relação ao mercado de trabalho e as oportunidades para os profissionais da sua área?
R: Sempre haverá espaço para o advogado em qualquer sociedade. Nas relações humanas sempre haverá discordância e assim, a figura do advogado e do judiciário como um todo, se torna indispensável para que haja Justiça. Além disso, cada vez mais as pessoas estão cientes de seus Direitos, sendo que cada vez mais serão necessários os profissionais da área do Direito.

6 – Quais as principais características que você acredita serem necessárias para aqueles que cursam direito e/ou exercem a profissão?
R: Como dito anteriormente, o Direito oferece uma gama de atuação tão variada que as mais diferentes pessoas, com personalidades, experiências e características das mais variadas podem ser bem sucedidas. Por exemplo, um Juiz deve ser sempre uma pessoa serena, imparcial, comedida e capaz de tomar as decisões justas, por seu turno, um Advogado deverá ser sagaz, dinâmico, capaz construir as teses que irão convencer o Juiz de que seu ao seu cliente assiste a razão.

7- Gostaríamos que desse dicas, conselhos ou qualquer outro tipo de informação que ajude nossos leitores a decidir seguir (ou não) a sua profissão. Fique a vontade!
R: A advocacia é uma vocação. Para ser advogado é necessário tratar o problema do cliente como se seu fosse, o que faz com que a carga emocional dessa profissão seja alta, mas em contrapartida, a satisfação do serviço bem feito é igualmente grande. Propicia grande variedade de assuntos aos quais o profissional tem contato, por exemplo, se o seu cliente é médico e o assunto relacionado a pratica da medicina o advogado terá que entender o que aconteceu no caso concreto para ser capaz de defender os interesses de seu cliente a contento. Em suma, para ser bem sucedido na advocacia é preciso gostar de ler, ser dinâmico, interessado em diversos assuntos e, acima de tudo, ético.

*O portal infoEnem agradece ao Dr. Júlio Fabbri Dotta pela esclarecedora entrevista, que certamente ajudou (e muito!) nossos leitores a entender melhor essa belíssima carreira.
E quanto a você, caro leitor, vai encarar todos os desafios reservados para aqueles que escolhem Direito? Independente da resposta, não se esqueça que sexta-feira que vem tem mais “Guia das Profissões 2013 do infoEnem”.

Manual do SISU e PROUNI

Manual do SISU e PROUNI

Receba gratuitamente

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

InfoEnem
InfoEnem

Portal InfoEnem - O portal mais completo do Enem. 10 anos abordando os principais assuntos do maior vestibular do país. - Artigos; - Notícias; - Apostilas; - Cursos On-line.