Meritocracia

Bilionários, empresários e diversos outros sujeitos detentores de grandes fortunas se dizem unidos por um atributo: esforço; mas será que a acumulação de capital e riqueza realmente dependem apenas disso? Existe mesmo uma real possibilidade de ascensão social apenas pelo suor e trabalho? No presente artigo, buscar-se-á compreender o fenômeno da acumulação não a partir de seus mitos, mas de suas possibilidades concretas de realização. 

A ideia de mérito, apesar de amplamente difundida e reproduzida pelos mais diversos meios de comunicação, não esteve presente em toda história da humanidade. Ela, assim como qualquer outro conceito que permeia a vida humana, é produto de processos históricos específicos. 

Figura reproduzida do site: https://marcelopintodarocha.jusbrasil.com.br/artigos/139219306/meritocracia-e-os-5-principais-mitos-utilizados-para-sua-objecao

O nascimento da meritocracia está inserido em um processo mais amplo de negação e superação da estrutura feudal e aristocrática, na qual a riqueza, o prestígio e a posição social ocupada, decorriam de privilégios hereditários dos nobres e aristocratas. Neste sentido, o advento do capitalismo e sua consolidação como modo de produção, traz consigo, ao instituir a igualdade formal entre todos os sujeitos, uma suposta possibilidade de ascensão social, pois, teoricamente, todos são iguais e livres para ir atrás de seus sonhos e conquistar seus objetivos. Com isso, a riqueza e a posição ocupada na divisão do trabalho, passam a ser produto não de heranças e títulos, como na época do feudalismo, mas da soma de habilidades e esforços individuais realizados por cada um

A organização social baseada em valores meritocráticos é tratada como uma grande conquista da modernidade, uma vez que rompeu com a desumanização formal das classes subalternas, retirando do vocábulo jurídico a desigualdade explícita, através da institucionalização da igualdade. Certamente, tal mudança foi importante às camadas exploradas da sociedade, como os escravos, as mulheres e os povos racializados, pois possibilitou a conquista de direitos; todavia, sua existência não resolveu a questão social. A desigualdade concreta e a acumulação de riqueza continuam as bases do modo de produção capitalista, logo, os privilégios decorrentes de heranças não foram extintos. Os indivíduos que nasceram em famílias abastadas continuam tendo mais condições de “sucesso” do que os indivíduos provenientes de famílias pobres. 

A competição, celebrada pelos liberais, não acontece em termos justos a todos. Uma pessoa, nascida em uma família pobre, que precisou começar a trabalhar com 13 anos, não possui as mesmas possibilidades de ascensão do que uma pessoa, filha de pais ricos, que podia se dedicar apenas aos estudos. Apesar da disparidade da realidade de ambos, a sociedade acha justo que eles entrem em uma competição, pela mesma vaga de emprego ou na universidade, e atribui o sucesso ou fracasso obtido como resultado do simples esforço e dedicação. A meritocracia não leva em consideração os marcadores sociais que recaem sobre os indivíduos, enxerga apenas os resultados sem atentar-se ao ponto de partida.  

A individualização das questões sociais responsabiliza o indivíduo por sua condição. Sem o pano de fundo histórico-social o indivíduo passa a ser culpado pela vida que possui e sua miséria passa a ser fruto de sua falta de esforço, e não da estrutura social que o aprisiona em ínfimas possibilidades de sobrevivência e do Estado, o qual desde a década de 1970, com o avanço do neoliberalismo, é cada vez mais isento de suas responsabilidades sociais. 

Outro fator que mascara o caráter predatório do sistema é o fato de alguns poucos sujeitos terem conseguido algum tipo de sucesso. Para defender a meritocracia são comuns os argumentos: “mas o Obama era negro e foi presidente dos Estados Unidos.”; “a Dilma era mulher e foi presidente do Brasil”; ou ainda “existem médicos e advogados negros, se eles chegaram lá, outros podem chegar”. É claro que a representatividade desses grupos marginalizados é importante, uma vez que abre espaço para que outros cheguem lá, porém esses são casos específicos. A grande maioria dos indivíduos racializados ainda vivem em áreas periféricas e ocupam subempregos, justamente porque não tiveram condições sociais viáveis para desenvolver suas potencialidades. Muitas mulheres, apesar de extremamente competentes, ainda são silenciadas e recebem salários menores do que os homens. Os pequenos exemplos de sucesso não podem apagar a realidade da maior parte da população. Não se pode fazer uma análise de qualidade se pautando apenas em particularidades e negligenciando a totalidade da realidade social.  

Evidencia-se, portanto, que a meritocracia não passa de um mito moderno, responsável por apenas culpabilizar os indivíduos por suas tragédias, sem, no entanto, permiti-los questionar as origens das profundas desigualdades sociais que assolam os países.

Questão

(ENEM 2021) Quando a taxa de remuneração do capital excede substancialmente a taxa de crescimento da economia, pela lógica, a riqueza herdada aumenta mais rápido do que a renda e a produção. Então, basta aos herdeiros poupar uma parte limitada da renda de seu capital para que ele cresça mais rápido do que a economia como um todo. Sob essas condições, é quase inevitável que a riqueza herdada supere a riqueza constituída durante uma vida de trabalho, e que a concentração do capital atinja níveis muito altos.

PIKETTY, T. O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014 (adaptado).

Considerando os princípios que legitimam as democracias liberais, a lógica econômica descrita no texto enfraquece o(a)

a) Ideologia do mérito.

b) Direito de nascimento.

c) Eficácia da legislação.

d) Ganho das financeiras.

e) Eficiência dos mercados.

A alternativa correta é a letra A. 

Acesse o portal InfoEnem e tenha acesso aos melhores conteúdos e informações sobre o Enem 2022!

Por quê, Porquê, Porque e Por que: aprenda a diferença entre cada um para não errar no Enem!

A língua portuguesa é de fato muito rica e por isso traz um grande número de possibilidades para algumas palavras e isso, às vezes, pode causar dúvidas aos falantes de seu idioma. Uma dessas dúvidas mais comuns está ligada ao uso dos “porquês”. Na fala não há motivo nenhum para preocupação, mas na hora da escrita em norma padrão quase sempre é feita uma consulta para saber a diferença entre um e outro e não fazer feio no texto.
https://infoenem.com.br/por-que-porque-porque-e-por-que-aprenda-a-diferenca-entre-cada-um-para-nao-errar-no-enem/

O que é SiSU?

É o sistema informatizado do MEC por meio do qual instituições públicas de ensino superior (federais e estaduais) oferecem vagas a candidatos participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).
https://infoenem.com.br/como-funciona-o-sisu/

Sobre o Autor

Brenda Buzzo
Brenda Buzzo

Estudante de Ciências Sociais na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Possui formação técnica na área de alimentos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Campus São Roque. Tem experiência em pesquisa na área de sociologia da alimentação e possui interesse nas áreas de pensamento social, estudos de gênero e sociologia política.