O legado de Angela Davis

Você já ouviu falar na Angela Davis? Angela atua como escritora, filósofa, professora, além de ser uma icônica ativista pelos direitos civis. Davis tem uma forte atuação desde os anos 1960, quando as agitações sociais para consolidação dos direitos civis da população negra estadunidense se intensificaram.

Em sua linha de pensamento, Davis é reconhecida como marxista e influenciada pela Escola de Frankfurt (que resumidamente foca na Teoria Crítica), tendo como principais áreas de atuação questões raciais e também de gênero.

Davis iniciou seus estudos acadêmicos aos 19 anos na Universidade de Brandeis, onde teve aulas com um professor pertencente à Escola de Frankfurt. Vivências pessoais de Angela também fizeram com que ela se envolvesse com questões sociais: cresceu vendo linchamentos, agressão e tortura, além de atentados terroristas direcionas à comunidade afro-estadunidense.

Logo ela se filiou ao grupo SNCC (Student Nonviolent Coordinating Committee), um canal de resistência pacífica que se pautava nos ensinamentos de Luther King. Mais tarde, o SNCC deixou de existir e ela migrou para o conhecido Movimento dos Panteras Negras, que eram adeptos a luta antirracista combativa e, em alguns momentos, armada; Angela se envolveu com a parte pacífica do movimento.

Professora da Universidade da Califórnia, Angela foi demitida em 1969 por conta de suas ligações com o Movimento e com o Partido Comunista. Um ano mais tarde, ela estaria na lista dos dez criminosos mais procurados pelo FBI, e acabou sendo presa. Houve ampla movimentação para soltura dela, envolvendo até mesmo John Lennon, Yoko Ono e os Stones. Após mais de um ano de cárcere e julgamento, ela foi declarada inocente e foi libertada.

A militância de Angela se manifesta de diversos modos: ela luta pelo fim dos presídios, por um feminismo interseccional e pela liberdade e atenção às necessidades das mulheres negras. Angela veio até o Brasil em 2019, passando por diversas universidades, ensinando e aprendendo um montão por aqui!

Agitações por Direitos Civis nos anos 1960

Essas movimentações começaram a tomar forma ainda na década de 50, mas tornaram-se maiores nos anos 60. Um dos grupos mais expressivos do momento que focava seu trabalho nos direitos civis para a população negra, foi a Conferência da Liberdade Cristã do Sul, formada em 1957, em Montgomery, por Martin Luther King.

Além dos grupos, eventos de grande magnitude que ocorrem até os dias atuais também foram marcantes para esse momento histórico, como a Marcha sobre Washington para o Trabalho e Liberdade. A marcha foi liderada por King e reuniu 250 mil pessoas de diversas partes do país. Lembrando: os movimentos por justiça racial não pregam a superioridade de uma raça em relação a outra, eles justamente combatem esse tipo de discurso!

Apesar do envolvimento de feministas nesse momento, o foco não foi a igualdade de gênero e sim a justiça racial. Muitas mulheres, como a própria Angela Davis foram marcantes para o movimento; outras foram: Rosa Parks (conhecida por ter se recusado a levantar de seu assento no ônibus para que um homem branco sentasse, como era regra; foi presa, e seu ato de resistência foi a faísca que fez com que o grande movimento pelos direitos civis atingisse diversas partes dos EUA) e Harriet Tubman (foi uma abolicionista e ativista americana. Nascida escravizada, Tubman escapou e fez 19 missões para resgatar cerca de 300 pessoas escravizadas, usando a rede de ativistas anti escravatura e abrigos).

Agora que já sabemos mais sobre o legado de Angela Davis, vamos responder uma questão?

UFPR – 2018

Leia o seguinte excerto da intelectual e ativista Angela Davis:

A prova das forças acumuladas que as mulheres negras forjaram por meio de trabalho, trabalho e mais trabalho pode ser encontrada nas contribuições de muitas líderes importantes que surgiram no interior da comunidade negra. Harriet Tubman, Sojourner Truth, Ida Wells e Rosa Parks não são mulheres negras excepcionais, na medida em que são epítomes da condição da mulher negra. As mulheres negras, entretanto, pagaram um preço alto pelas forças que adquiriram e pela relativa independência de que gozavam. Embora raramente tenham sido “apenas donas de casa”, elas sempre realizaram tarefas domésticas.

(DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016, p. 5253-5259 [kindle edition].)

A respeito do movimento dos Direitos Civis nos EUA, considere as seguintes afirmativas:

1. A célebre Marcha sobre Washington para o Trabalho e Liberdade de 1963 foi marcada pela participação importante de mulheres negras com um discurso que privilegiava o papel dos negros em relação aos brancos.

2. A participação feminina nas marchas, boicotes e manifestações de rua que marcaram a década de 1960 nos EUA teve como demanda principal a igualdade de gênero.

3. Rosa Parks aparece no excerto acima graças a duas questões. A primeira, pelo fato de ser uma mulher comum negra, que tinha a sua dupla atribuição de trabalho. A segunda, especificamente por ocupar esse papel é que seu ato de desobediência civil foi mais impactante que o de outras lideranças.

4. A relativa independência das mulheres negras provém de problemas da condição de risco em que viviam seus companheiros homens, uma vez que era muito comum o fato de eles serem encarcerados ou sofrerem outros tipos de violência. Nesse sentido, a independência das mulheres negras nos EUA era sintoma da desigualdade entre negros e brancos.

Assinale a alternativa correta:

a) Somente a afirmativa 3 é verdadeira.

b) Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras

c) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.           

d) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.      

e) As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.

Alternativa correta: c.

Acesse o portal InfoEnem e tenha acesso aos melhores conteúdos e informações sobre o Enem 2020!

Por quê, Porquê, Porque e Por que: aprenda a diferença entre cada um para não errar no Enem!

A língua portuguesa é de fato muito rica e por isso traz um grande número de possibilidades para algumas palavras e isso, às vezes, pode causar dúvidas aos falantes de seu idioma. Uma dessas dúvidas mais comuns está ligada ao uso dos “porquês”. Na fala não há motivo nenhum para preocupação, mas na hora da escrita em norma padrão quase sempre é feita uma consulta para saber a diferença entre um e outro e não fazer feio no texto.
https://infoenem.com.br/por-que-porque-porque-e-por-que-aprenda-a-diferenca-entre-cada-um-para-nao-errar-no-enem/

O que é SiSU?

É o sistema informatizado do MEC por meio do qual instituições públicas de ensino superior (federais e estaduais) oferecem vagas a candidatos participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).
https://infoenem.com.br/como-funciona-o-sisu/

Sobre o Autor

Raphaele Godinho
Raphaele Godinho

Raphaele Godinho: Estudante de Relações Internacionais, coordenação do movimento Resgatando e Valorizando a Mulher, Three Dot Dash Global Teen Leader 2020 by We Are a Family Foundation.