Ortografia – De Que Jeito se Escreve Mesmo?

Entendemos por Ortografia a parte da Gramática que determina a escrita correta (oficial) das palavras de um idioma. No caso do nosso, o Português, há duas diretrizes que definem como as palavras devem ser registradas: a língua portuguesa respeita a relação fonema/grafema, ou seja, para um som da língua há uma letra que o representa na escrita, mas também tem bases na etimologia, isto é, mantém algumas letras de acordo com a origem da palavra.

Algumas reformas ortográficas pelas quais o Brasil já passou tiveram o objetivo de facilitar a ortografia, como a que extinguiu o “ph” e o “th” de palavras de origem grega, como pharmácia e theologia, por exemplo. Por outro lado, é pelo fato de ser proveniente do italiano que ‘mozzarella’ virou muçarela nestas terras tupiniquins (palavras derivadas de termos indígenas ou estrangeiros terão o som sibilante registrado com Ç).

Mas história à parte (história com H pois é originária do grego!), a intenção hoje é reforçar a grafia de algumas palavras que vêm sendo muito maltratadas, principalmente nas redes sociais, o que acaba refletindo nos textos escritos pelos alunos.

Uma dica é observar a palavra primitiva: a letra que estiver presente no radical, aparecerá nos derivados, como a letra H nas formas do verbo HAVER:

  • HOUVE (pretérito perfeito do indicativo) indica existência, ocorrência ou funciona como verbo auxiliar; OUVE é o presente do indicativo do verbo OUVIR:

Houve vários incidentes na manifestação. Meu avô está perdendo a audição… ele já não ouve muito bem.

  • HAJA, presente do subjuntivo do HAVER é diferente de AJA, presente do subjuntivo do verbo AGIR:

Espero que haja vaga no estacionamento. Espero que ele aja com coragem.

Por isso, se um dia você resolver fazer uma tatuagem, a frase é “Haja o que houver”!!! Se o tatuador errar, você corre o risco de virar ‘meme’ na internet!

Ainda na classe dos verbos, temos o problema das letras S e Z, que tem o mesmo som quando estão entre vogais. Podemos lançar mão do mesmo conselho, para não errar a conjugação do querer, pôr, fazer e dizer: os dois últimos têm a letra Z no radical, então as formas verbais manterão essa letra:

  • ele faZ, nós faZemos, nós fiZemos, quando eu fiZer, ele diZ, nós diZemos

Já o querer e o pôr não têm o ‘Z’ no radical, por isso terão as formas escritas com S:

  • eu quiS, nós quiSemos, quando eu quiSer, quando eles quiserem.

Outro ‘nó’ é a dupla viagem/viajem!

Siga o mesmo raciocínio: o verbo é viajar, certo? Com J, certo? Portanto todas as formas verbais serão com J:

  • Eu viaJo, tomara que eu viaJe logo, espero que eles viaJem em segurança.
  • A viaGem foi tranquila.

E que seja tranquilo também o seu ENEM! Boa semana e boa prova!

 


Margarida Moraes é formada em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), onde também concluiu seu mestrado. Mais de 20 anos de experiência, corretora do nosso sistema de correção de redação e responsável pela resolução das apostila de Linguagens e Códigos do infoenem, a professora é colunista de gramática do nosso portal . Seus textos são publicados todos os domingos. Não perca!

Manual do SISU e PROUNI

Manual do SISU e PROUNI

Receba gratuitamente

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

Margarida Moraes
Margarida Moraes

Margarida Moraes é formada em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), onde também concluiu seu mestrado. Mais de 20 anos de experiência, corretora do nosso sistema de correção de redação e responsável pela resolução das apostila de Linguagens e Códigos do infoenem, a professora é colunista de gramática do nosso portal.