Cuidado com o agente das ações verbais!

Algumas pessoas ‘escorregam’ ao usar alguns verbos na construção de frases, mesmo simples, do cotidiano. Vejamos um desses verbos ‘trabalhosos’ nestas duas canções:

“(…) Custo a entender
Como pode o encanto do amor se perder
Custo a entender
Quem apanha inocente sem que nem porque
Custo a entender
Como o peito padece e ainda quer se entregar
Custo a entender
E é por isso que eu tenho receio de amar(…)”
https://www.vagalume.com.br/pericles/custo-a-entender.html

“(…) A nossa história de dar um tempo custou caro, fez doer
Corremos risco de outro alguém aparecer
Mas o amor que a gente sente há de prevalecer!(…)”
https://www.letras.mus.br/sorriso-maroto/1474829/

Em ambas temos o emprego do verbo custar, no sentido de ‘ser penoso’ ou ‘representar dificuldade’, mas só o segundo exemplo traz o emprego de acordo com a norma culta. A construção ditada pela gramática tradicionalmente é:

sujeito (o que custa) + verbo CUSTAR + objeto indireto (o ser a quem custa)

Assim, no caso da primeira música, a construção obedeceria à norma culta se fosse “Custa-me entender / como pode o encanto do amor se perder”. Ou, obedecendo à fórmula apresentada:

Entender (sujeito – na verdade uma oração subordinada substantiva subjetiva) + custa + a mim (objeto indireto)

Custa-me, também, ver estes dois casos de desvio. Quem nunca ouviu (ou disse!) que operou o que quer que fosse?

“Eu operei o apêndice no mês passado.”
“Meu filho operou as amídalas nas férias”…

 

Pois é… essas frases só estariam de acordo com a norma culta, se o emissor fosse um cirurgião!

Assim como no primeiro caso, há uma confusão entre que faz e quem recebe a ação verbal. No caso do verbo operar, apenas o cirurgião pode ser o sujeito ativo, então teríamos “Eu passei por uma operação no apêndice no mês passado” e “O médico operou as amídalas do meu filho nas férias” ou algo semelhante, mas o emissor não será o sujeito desses verbos.

O outro caso tem aparecido com frequência na mídia:

 

“O Jornal X repercutiu a notícia de que…”.

 

É mais uma situação de imprecisão vocabular, já que as notícias é que repercutem, e os meios de comunicação devem divulgar a notícia.

Teremos, portanto, de acordo com a norma culta:

A notícia repercutiu nos meios de comunicaçãoou
O Jornal X divulgou a notícia de que…

Espero que essas informações repercutam e esclareçam as dúvidas de muitos leitores.

Até a próxima semana!

 


Margarida Moraes é formada em Letras pela Universidade de São Paulo (USP). Com mais de 20 anos de experiência, corretora do nosso Curso de Redação Online (CLIQUE AQUI para saber mais) e responsável pela resolução das apostila de Linguagens e Códigos do infoEnem, a professora é colunista de gramática do nosso portal. Seus textos são publicados todos os domingos. Não perca!

Manual do SISU e PROUNI

Manual do SISU e PROUNI

Receba gratuitamente

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

Margarida Moraes
Margarida Moraes

Margarida Moraes é formada em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), onde também concluiu seu mestrado. Mais de 20 anos de experiência, corretora do nosso sistema de correção de redação e responsável pela resolução das apostila de Linguagens e Códigos do infoenem, a professora é colunista de gramática do nosso portal.