Como a crise de 1929 afetou o Brasil?

O colapso econômico iniciado em 1929, nos Estados Unidos, é compreendido como a maior crise do capitalismo financeiro. A famosa crise de 1929, também chamada de “A Grande Depressão”, é marcada pela quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque e por afetou todo o mundo capitalista, levando, assim, milhões de pessoas ao desemprego e à pobreza. Seus efeitos não se limitaram à economia, ela ocasionou diversos desdobramentos sociais e políticos.

Figura reproduzida do site: https://jovemnerd.com.br/nerdcast/nerdcash/a-crise-de-1929/

Principais causas

Após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a economia das grandes potências, como a Inglaterra e a Alemanha, foi profundamente afetada. Com isso, os Estados Unidos conseguiram se tornar o país mais importante economicamente, uma vez que realizava muitas exportações, vendas no mercado interno – o que significa que sua atividade produtiva estava em constante expansão – e incentivava a oferta de crédito aos compradores e, quando surgiam pequenas recessões, o governo intervinha aplicando mais crédito no mercado, seja em dinheiro ou títulos da Bolsa de Valores, para reparar o problema.

Assim, os investidores da Bolsa de Valores recebiam um falso sinal de expansão econômica e, consequentemente, decidiam investir mais e expandir seus negócios. No entanto, essa medida de expansão de crédito tornava as taxas de juros artificiais, isto é, sem lastro e reservas de dinheiro reais, assim, foi-se gerando uma “bolha inflacionária”, que em 1929 não poderia mais ser disfarçada. Para tentar superar o problema, o governo parou de expandir a oferta monetária e iniciou uma política de restrição de empréstimos.

Esse cenário de instabilidade produziu um medo generalizado de desvalorização da moeda, o que fez com que muitas empresas retirassem suas reservas dos bancos, iniciando uma recessão.

Uma vez que não se podia mais esconder o caráter fictício da expansão econômica, a Bolsa de Valores de Nova Iorque, responsável pela administração dos investimentos e do crédito emitido, colapsou.

Em 24 de outubro de 1929, houve a chamada “quinta-feira negra”, marcada pela queda das ações por falta de compradores. Em 29 de outubro, ocorreu a “terçafeira negra”, quando se tentou vender lotes e títulos na Bolsa de Valores, mas a tentativa falhou.

Consequências

Ações de bancos e empresas ficaram completamente desvalorizadas, provocando falência, tanto no setor industrial quanto no setor agrícola; e desemprego generalizados. A pobreza passou a assolar grande parte da população estadunidense.

Internacionalmente, os países que estavam atrelados ao sistema de crédito norte-americano também foram atingidos e sofreram uma grande recessão. No caso do Brasil, a redução da exportação de café foi um dos principais efeitos, a qual resultou na limitação da entrada de dividendos e reduziu a capacidade de importações do país.

Para superar esse cenário negativo, o governo brasileiro – na época com Getúlio Vargas na presidência (1930-1945) – além de realizar a famosa compra e queima do café excedente para ajudar os produtores, adotou medidas protecionistas com o intuito de incentivar a indústria nacional e alinhar a produção agrária a esses interesses. Assim, foi necessário diversificar a indústria nacional para abastecer o mercado interno, causando assim uma inflexão no modelo importador até então vigente para uma nova matriz nacional de produção e consumo, além de aumentar entrada de capital nas indústrias do país. Tais ações fizeram a indústria brasileira crescer 11,2% entre 1933-1939 dissipando, assim, os efeitos da crise no país.

Questão

(ENEM 2019) A depressão que afetou a economia mundial entre 1929 e 1934 se anunciou, ainda em 1928, por uma queda generalizada nos preços agrícolas internacionais. Mas o fator mais marcante foi a crise financeira detonada pela quebra da Bolsa de Nova Iorque.

Disponível em: http://cpdoc.fgv.br. Acesso em: 20 abr. 2015 (adaptado).

Perante o cenário econômico descrito, o Estado brasileiro assume, a partir de 1930, uma política de incentivo à

A) Industrialização interna para substituir as importações.

B) Nacionalização de empresas estrangeiras atingidas pela crise.

C) Venda de terras a preços acessíveis para os pequenos produtores.

D) Entrada de imigrantes para trabalhar nas indústrias de base recém-criadas.

E) Abertura de linhas de financiamento especial para empresas do setor terciário.

A alternativa correta é a letra A.

Acesse o portal InfoEnem e tenha acesso aos melhores conteúdos e informações sobre o Enem 2021!

Por quê, Porquê, Porque e Por que: aprenda a diferença entre cada um para não errar no Enem!

A língua portuguesa é de fato muito rica e por isso traz um grande número de possibilidades para algumas palavras e isso, às vezes, pode causar dúvidas aos falantes de seu idioma. Uma dessas dúvidas mais comuns está ligada ao uso dos “porquês”. Na fala não há motivo nenhum para preocupação, mas na hora da escrita em norma padrão quase sempre é feita uma consulta para saber a diferença entre um e outro e não fazer feio no texto.
https://infoenem.com.br/por-que-porque-porque-e-por-que-aprenda-a-diferenca-entre-cada-um-para-nao-errar-no-enem/

O que é SiSU?

É o sistema informatizado do MEC por meio do qual instituições públicas de ensino superior (federais e estaduais) oferecem vagas a candidatos participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).
https://infoenem.com.br/como-funciona-o-sisu/

Manual do SISU e PROUNI

Manual do SISU e PROUNI

Receba gratuitamente

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

InfoEnem
InfoEnem

Portal InfoEnem - O portal mais completo do Enem. 10 anos abordando os principais assuntos do maior vestibular do país. - Artigos; - Notícias; - Apostilas; - Cursos On-line.