As consequências do desenvolvimento tecnológico aos trabalhadores

Desde a primeira Revolução Industrial, no século XVIII, o trabalho humano começou a alterar sua dinâmica, uma vez que se iniciou a inserção de máquinas nas indústrias e se substituiu o modo de produção doméstico, ou artesanal, pelo sistema fabril. Progressivamente, as mudanças foram se intensificando e disseminando ao redor do globo, o que alterou toda organização do trabalho humano.

Após alguns séculos – mais precisamente na segunda metade do século XX – e inúmeras evoluções tecnológicas e científicas, iniciou-se um processo ainda mais revolucionário à vida e ao trabalho dos indivíduos: A Revolução Técnico-Científico-Informacional (ou Terceira Revolução Industrial). Marcada, principalmente, pela criação e evolução de fatores relacionados à informática, telecomunicações, robótica, química, biotecnologia e muitas outras áreas que permeiam toda a existência dos seres humanos.

Imagem adaptada do site: https://www.researchgate.net/figure/Figura-69-Caracteristicas-das-revolucoes-Industriais_fig24_339943334

Todo esse desenvolvimento possibilitou um grande aumento produtivo e, consequentemente, de lucro por parte dos donos dos meios de produção. Mas o que aconteceu com os trabalhadores?

  1. Aumento do desemprego: decorrente tanto da substituição do trabalho humano pelo trabalho mecanização quanto pela constante necessidade de especialização dos trabalhadores. Por exemplo, antes um trabalho que necessitava de vários sujeitos para ser executado, hoje pode ser feito por apenas uma máquina e um indivíduo para operá-la. O trabalhador incumbido dessa tarefa deve ter o conhecimento necessário para desempenhá-la, o que exige estudo e investimento em si próprio – algo que pessoas em situações de vulnerabilidade dificilmente podem fazer, uma vez que a prioridade é a sobrevivência;
  2. Necessidade de especialização dos trabalhadores: é exigida constantemente para que o trabalhador possa operar máquinas cada vez mais complexas. Salienta-se, no entanto, que é uma especialização instrumental e não crítica, ou seja, ele não deve pensar no objetivo do que está fazendo, apenas deve fazer de maneira alienada para manter o perfeito funcionamento da produção;
  3. Desqualificação: alguns trabalhos necessitam conhecimentos específicos para serem desenvolvidos, como é o caso de um padeiro: ele precisa conhecer a finalidade de cada ingrediente, como funciona o processo de fermentação e muitos outros saberes para conseguir desempenhar seu serviço; entretanto, com a automação da padaria, a máquina fará todo serviço e cabe ao padeiro apenas apertar os botões. Esse é apenas um exemplo, mas a automação desqualificou diversos outros trabalhos;
  4. Aumento do mercado informal: como o desemprego é generalizado e a especialização um pré-requisito, muitos trabalhadores menos instruídos aceitam qualquer tipo de trabalho (muitas vezes mal remunerados, com condições degradantes e sem os devidos direitos) para conseguir sobreviver.

A somatória desses fatores culmina no aumento da desigualdade social, na diminuição das possibilidades de estudo pelas classes mais pobres – pois muitos jovens não possuem oportunidades ou possibilidades para continuar nos estudos e vão para o mercado de trabalho – e na progressiva alienação no trabalho.

Como foi mostrado, deve-se analisar com cautela cada processo social ao longa da história, visto que eles podem conter contradições complexas. Como é o caso da modernização, a qual trouxe avanços na medicina, nas ciências e em outras áreas que possibilitaram condições de vida muito melhores, mas, ao mesmo tempo, generalizou o desemprego e a desigualdade social.

Questão

(ENEM 2020 digital) Ao mesmo tempo que as novas tecnologias inseridas no universo do trabalho estão provocando profundas transformações nos modos de produção, tornam cada vez mais plausível a possibilidade de liberação do homem do trabalho mecânico e repetitivo.

 JORGE, M. T. S. Será o ensino escolar supérfluo no mundo das novas tecnologias? Educação e Sociedade, v. 19, n. 65, dez. 1998 (adaptado).

O paradoxo da relação entre as novas tecnologias e o mundo do trabalho, demonstrado no texto, pode ser exemplificado pelo(a)

a) Utilização das redes sociais como ferramenta de recrutamento e seleção.

b) Transferência de fábricas para locais onde estas desfrutem de benefícios fiscais.

c) Necessidade de trabalhadores flexíveis para se adequarem ao mercado de trabalho.

d) Fenômeno do desemprego que aflige milhões de pessoas no mundo contemporâneo.

e) Conflito entre trabalhadores e empresários por conta da exigência de qualificação profissional.

A alternativa correta é a letra D.

Acesse o portal InfoEnem e tenha acesso aos melhores conteúdos e informações sobre o Enem 2021!

Por quê, Porquê, Porque e Por que: aprenda a diferença entre cada um para não errar no Enem!

A língua portuguesa é de fato muito rica e por isso traz um grande número de possibilidades para algumas palavras e isso, às vezes, pode causar dúvidas aos falantes de seu idioma. Uma dessas dúvidas mais comuns está ligada ao uso dos “porquês”. Na fala não há motivo nenhum para preocupação, mas na hora da escrita em norma padrão quase sempre é feita uma consulta para saber a diferença entre um e outro e não fazer feio no texto.
https://infoenem.com.br/por-que-porque-porque-e-por-que-aprenda-a-diferenca-entre-cada-um-para-nao-errar-no-enem/

O que é SiSU?

É o sistema informatizado do MEC por meio do qual instituições públicas de ensino superior (federais e estaduais) oferecem vagas a candidatos participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).
https://infoenem.com.br/como-funciona-o-sisu/

Manual do SISU e PROUNI

Manual do SISU e PROUNI

Receba gratuitamente

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

InfoEnem
InfoEnem

Portal InfoEnem - O portal mais completo do Enem. 10 anos abordando os principais assuntos do maior vestibular do país. - Artigos; - Notícias; - Apostilas; - Cursos On-line.